sexta-feira, 19 de julho de 2013

partilho porque é doce,

hoje dei por mim, no meio de um dia cansativo a falar sozinha e fui interpelada pelo amigo ao meu lado e que me acompanhava:

-"o que é que estás a dizer?"
-não me ligues, respondi, hoje não me recomendo, (como diz a canção do Rui Veloso), estou a falar comigo...conversas...
-retorquiu: "então és como a minha mãe...desde criança, a 20,30,50 metros,ouvíamos a sua voz a conversar e perguntávamos?

com quem conversas? e ela respondia invariavelmente:
converso comigo, conversas que não acabam nunca..."

fez-me sentir leve e tão igual a esta velha mulher africana,de vida cheia, mas de alma nunca anoitecida...

as minhas conversas comigo nunca acabam,
antes, navegamos no silêncio amoroso das nossas vozes cúmplices enquanto parimos a vida




as notas doces e cheias do Rui Veloso,