quinta-feira, 5 de março de 2015

"Povo que lavas no rio"

Minha adaptação ao fado,
Anibal, Pedro, Paulo, Ricardo, Zeinal, Jerónimo, Henrique, Américo, José, António...
Gente sem altura
que na mesma cama comigo não se deita
que com um pá cava fundo na terra
para enterrar o povo da minha Nação
colocando com as sua próprias mãos
as tábuas de cada caixão
Com dignidade me defendo,
podem tudo vender
pode haver quem compre todo o meu chão sagrado
mas a minha vida não

Povo quo vadis?

Últimas da ciência: 
descoberto sarcófago com múmias cobertas por alcatrão e penas em Belém, ali para os lados dos Jerónimos,razão pela qual o Professor onde Pedro foi beber sabedoria, não se pronuncia.
Encontrada inscrição: "o silêncio é de ouro". Aqui jaz quem acreditou sempre que o impossível não existe: Krateo (do grego= eu domino). 
A dominar este fado por mais de 30 anos.
Pode ser que mais uma vez os pindéricos se esqueçam e deixem passar...