quarta-feira, 19 de agosto de 2015

alegria, ostras, dor, limão e o mundo

as pessoas que sofrem, buscam! e vêem a areia.
são essas que conseguem ver para além da realidade ilusória.
são essas que vêem a poesia:
do amor,
da abelha a beijar a flor
do pôr do sol
de uma cegonha a fazer o ninho
sentem a felicidade de manhã com o aconchego do lençol
a alegria de molhar os pés na chuva quente de verão
de se encantar com um livro
de ficar em paz com a paz de uma música
de nada mais existir à volta quando dançam
de ouvir a água feliz a lavar fresca as pedras de um rio
de estarem sós e sós sentirem alegria da sua companhia
de sentir o perfume suave da semente de hortelã-pimenta
são as ostras mais preciosas
que carregam o mundo em si
as pérolas
o grão
não precisam mudar, porque só muda o que nelas tem de mudar
são a areia que se faz pérola
transformam dificuldade numa oportunidade
se de pessimismo na mente se vestem
a esperança no coração acolhem
transformam a angústia, a dor, o cansaço
comem o mundo
são a ostra 
que foi infeliz
que pérola fez
quando na perfeita combinação
juntou a alegria
de sugar a dor
com o sumo de um limão