segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Na espuma dos nossos dias, cá e lá- Homenagem a Mia Couto

"Para fabricar armas é preciso fabricar inimigos. Para produzir inimigos é imperioso sustentar fantasmas. A manutenção desse alvoroço requer um dispendioso aparato e um batalhão de especialistas que, em segredo, tomam decisões em nosso nome" MIA COUTO Conferência de Estoril sobre segurança, 2.011. 



Mia Couto, homenagem ao homem que pensa a sua terra em 1ºlugar, em tempos de guerra, para abrirmos a porta da paz.
É destes homens desobedientes e sem medo, exemplares nas palavras e nas acções, que tanto Moçambique quanto Portugal merecem e precisam. 
Mas só mudando atitudes, crenças, valores, deixando de fabricar inimigos e de sustentar fantasmas.
Para que estes meninos da guerra façam parte do passado e sejam tão só, quem são, meninos crianças
E que as asas dos anjos os cubram, para tão só, voarem.


Tens medo de fazer amor comigo?
- Tenho - respondeu ele.
- Por eu ser preta?...
- Tu não és preta.
- Aqui, sou.
- Não, não é por seres preta que eu tenho medo.
- Tens medo que eu esteja doente...
- Sei prevenir-me.
- É porquê, então?
- Tenho medo de não regressar. Não regressar de ti.
 
Mia Couto in Venenos de Deus, remédios do diabo