segunda-feira, 10 de novembro de 2014

I wonder...

Em modo: I wonder…, (no país e no mundo inconclusivo)



Em modo: I wonder…, (no país e no mundo inconclusivo)
Será que não estamos a caminhar para a descontinuação do produto raça humana?
Será que em tempos desesperançados e sem entusiasmo vamos conseguir fazer as malas?
Será que em tempos de prostituição violenta entre os mercados-esses chulos- vamos conseguir acabar com as ervas daninhas?
Será que a fome-que mata- enquanto se constroem fortunas pessoais sobre essas mortes, um dia passa de plano de erradicação para a inexistência?
Será que o medo de doenças mortais, enquanto corporações se preparam e fabricam negócios para os seus combates, chegará ao fim?
Será que os Estados e pessoas em modo de corrupção mortal, um dia resolverão os seus problemas genéticos de ambição desmedida?
Será que grupos económicos que usam o poder no Estado para roubar o Estado, e o poder das pessoas, um dia serão raptados por um Darth Vadder, e ficarão num qualquer planeta obscuro,ardente e longínquo?
Será que miséria, escravatura, exploração e vice-versa um dia pertencerão à História?
Será que as relações humanas vão ganhar uma nova aplicação quando aprendermos a bem usar a tecnologia e as redes sociais, no lugar de construirmos a vida sobre falsas e ilusórias premissas?
Será que as religiões vão deixar de ter poder de vida e morte sobre a raça com as suas promessas mesquinhas?
(As virgens só existem nos signos e não querem homens boçais, o céu foi feito para guardar estrelas e planetas, o inferno é aqui).
É por estas e por outras que os alliens apenas nos sobrevoam, e desaparecem rapidamente para as suas wonderlands.
Esta gente tem problemas (assim dizem eles).
I wonder why…