quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Paradoxos da raça,

Por todos esses que não têm direito a voz e são silenciados, é que eu tenho o dever de gritar.
É por falta de vontade dos senhores das guerras que há caos, austeridade, miséria, escravatura e sofrimento. Tudo o resto é “bullshit”.
Conseguimos aterrar em cometas e conseguimos tudo o resto que queiramos. Dar luz, livros, lápis, comida, abrigo, fogo, ar, água conforto a todos. Sem excepção, de qualidade, e, sustentável para o planeta.
O caos está cá fora à minha volta, e há tanta gente que não está bem. Que não tem qualquer possibilidade de conforto. Tem falta do essencial. Para si e para a família.
Ou apenas para si, porque há muita gente só. Na total solidão. Como se não bastasse a miséria. Ela vem carregada de solidão.
Alguns dizem-me: ”não há vítimas, escolheram estas experiências.
Eu repito: foda-se isso é uma enorme treta!!
Alguém escolheu por nós que não íamos ter a possibilidade de ter uma vida. Alguém roubou essa opção da lista de opções.
Roubou o trabalho, a casa, o tempo livre, o dinheiro, a dignidade. Roubou grito eu!
Podemo-nos adaptar? Claro que sim, adaptamo-nos a tudo como seres da natureza que somos.
Sobrevivemos e desenvolvemos formas de chegar até onde estamos. Somos capazes de tudo. Bom e mau. Claro que nos adaptamos. É possível viver com pouco? De forma simples? Que dê para todos? Claro que sim.
Mas não é sobreviver que vimos cá fazer. Nem para isso evoluímos.
Não evoluímos para sermos roubados por uns chicos-espertos bem vestidos.
Digo eu que quero ter o tempo e a opção de não correr 12 horas por dia no trânsito, no cansaço, no caos, no desgaste desnecessário à vida humana, para poder pensar, criar, escrever ou qualquer outra escolha.
Para isso, neste momento, preciso de ter dinheiro e ter o que preciso para viver com dignidade: abrigo, fogo, ar, água, alimento. E essa dignidade roubam-me todos os dias.
Alguém ligou o botão para aumentar a velocidade das mudanças. Nos relacionamentos entre pessoas. Com a matéria. Com a natureza. Tudo se degrada rapidamente.
Talvez ao chegar à profundidade do caos, aconteça um choque e dele se acenda a lâmpada necessária.
Tantos seres dependentes da boa vontade, da solidariedade. Do amor que uns têm pela Humanidade. Porque é o amor que falta, para oferecer o essencial a quem tem o direito de o ter.
Para esses muitos, infelizmente muitos, tenho o dever, de dar o pouco da paz que tenho cá dentro, fora do caos cá fora à nossa volta.
Os senhores das guerras são os ladrões. Os que escolhem vestir um fato de guife e sentar-se em cadeiras de design de autor, com o poder adquirido por manipulação.
Os que determinam onde, quando e quem armar e investir para a guerra, seja ela qual for, depois de criarem condições para arranjar os cordeiros que morram nas guerras deles.
É assim em Israel, na Palestina, no Afeganistão, no Iraque, em vários países de África, no México, na Europa.
É nelas que podem mostrar o poder da testosterona e das suas psicopatias e arrastarem os que se precisam de alimentar do poder.
Com o dedo médio levantado digo: por mais voltas que consigam dar, não devemos nada a ninguém, não vivemos acima das possibilidades, não vimos ao mundo para sermos vítimas, não vimos ao mundo para nos roubarem as vidas.

Parem de criar (sim criar, inventar) constantemente novos inimigos para nos amedrontar.
Parem de os subsidiar, armar, alimentar, ensaiar e  dar palco.
Nas guerras e no poder, os ladrões são pirómanos e bombeiros em simultâneo. E vestem Prada.

Por todos os que não têm direito a voz e são silenciados é que eu tenho o dever de gritar.

Deixo uma anedota anónima:


Passos – Paulo, quantos morreram com a legionela?

 Paulo – Nove , Pedro.

 Passos – Só? ... temos de zelar pelo cumprimento do deficit !

 Paulo – Pois, mas foi só em Vila Franca.

 Passos - Os nossos estrategas,  e Moreira da Silva acham que podíamos colocar legionelas nos repuxos, mas só onde não haja turistas por causa do Pires de Lima.

 Paulo  – E se fosse no Natal, quando eles andarem distraídos com as compras ?...

 – Quanto acha que isso vai reduzir no deficit?

Passos – A Maria Luís fez as contas e disse-me que se morrerem mais 50.000 velhos e tipos sem-abrigo poupamos 280 milhões.

Paulo – Descontou os subsídios de funeral ?

Passos – Nada disso, a Maria Luís e o Mota Soares vão acabar com esses luxos. Não convém falar disto ao Machete nem ao Pires de Lima, pode sair asneira...

O Mota Soares até pode facilitar isto...

Paulo – Diga, estou curioso!
Passos – Sugere ao Inatel excursões de reformados a Vila Franca, incluindo estadas em hotéis com serviço de sauna e jacuzzi.
Para despistar passarão grande parte do dia em grandes superfícies.

Paulo –  Boa !
Passos – Para terminar – talvez se consiga arranjar um conflito com médicos e enfermeiros de modo a estarem em greve e podermos ainda entalar as Ordens deles.
Paulo – Vai dar-se um jeito.
Passos – O Aguiar Branco aparecerá a dizer que temos provas de sabotagem, os aviões russos que passaram por aí espalharam bactérias de legionelas.
Paulo – E provas?
Passos – Faço como o Barroso no Iraque, digo que os americanos me mostraram provas concretas !