domingo, 13 de abril de 2014

Educação, Quo vadis?



"Education is, quite simply, peace-building by another name. It is the most effective form of defense spending there is." -- Kofi Annan

Por esta razão não deveríamos retirar um cêntimo no combate a esta guerra: a Educação Universal.
 
Com os pais, família e meio social envolvente construímo-nos como seres sociais.
A educação/ensinamentos de casa e depois na escola, formam as bases onde irão assentar os restantes pilares que nos distinguem, através das nossas acções "só quando agimos nos medimos verdadeiramente com os demais" Goethe.

Quase sempre a Universidade ensina a estruturar o pensamento.
A verdadeira educação como aprendizagem, começa e termina na e com a vida. Com o que escolhemos aprender.
Com a curiosidade e com a criatividade que a escola nunca deveria matar.
Ou os pais. Ou o meio social que nos envolve.

Talvez por isso, vemos estes meninos ansiosos e curiosos para aprender o que há aí fora e adultos prontos para os acolher nesses ensinamentos.
Num local onde a criatividade plantou a sua raíz. O horizonte é a evolução.
É nossa obrigação ser guerreiro nesta frente de batalha.

Há quem receba Educação, mas não a saiba usar. É rico na conta do banco, pode pagar estudos nas melhores universidades e usar as tecnologias mais recentes, ter acesso a informação e conhecimento para se promover, mas a pobreza na forma inconsciente, arrogante e sem empatia com que trata os demais. A forma como usa os seus conhecimentos, tornam-no o verdadeiro pobre.
Todos conhecemos muitos.

Esta alfinetada vai directamente dirigida a quem hoje está num poder ilusório.
E até a quem através de uma lupa me espiolha. Mas isso são outros quinhentos. Deve ser por medo do que os cidadãos pensam e dizem...
Somos perigosos, quando somos educados. Quando lemos, escrevemos, procuramos conhecimento e sobretudo, quando pensamos...

E a quem "se acha" com o direito de tratar os outros como não existentes. Como se ser educado, cortês e delicado com os outros fosse apenas uma questão de "ter" e não de "ser" . Bem educado.

A propósito do uso de uma imagem devidamente identificada (como o é sempre) num texto meu no site onde escrevo e no meu blog, o seu autor quis que retirasse a sua imagem em tom ameaçatório e sem educação, em vez de escrever simplesmente a dizer: olha ó croma, mesmo estando o meu nome na imagem, não quero que seja usada fora da minha casa. Naturalmente retirava-a na mesma e pedia desculpa.
Também não iria de gostar de ver um texto meu por aí que NÃO tivesse a minha identificação. Por isso não faria a alguém o que não gosto que me possam fazer.

Assim se constróem muros no lugar de pontes...Por causa da arrogância e da falta de...educação. Em casa e na escola.
Se lhe ensinaram, ele não aprendeu. Se não ensinaram, temos mais um falhanço dos pais e das escolas.

Ou por falta da escolha individual de alguém que virou as costas à Educação como princípio de "aprender a ser".

De novo me vem Mark Twain à lembrança: "Não deixarei que o sistema educativo interfira com a minha Educação".
Somos todos responsáveis pelas escolhas que fazemos sobre ela. Pensar indo pelo caminho separado do "mainstream é um hábito que adquiri e aqui deixo um conjunto de documentários que ajudam a conhecê-lo:


http://www.disclose.tv/news/300_Mind_Expanding_Documentaries/100448




Em nome da Educação e sempre por ela, quase devidamente autorizada, já que estou quase licenciada, aos meninos da minha terra Guiné-Bissau que hoje celebro por estarem a viver o processo democrático após 2 anos de golpe de estado violento e da GB ter sido "reinada" como se fosse o quintal do Nino, do Kumba e dos militares, auguro uma vida de paz e desenvolvimento.

Que a cultura da Paz seja bem cimentada. Através da Educação. Para que seja a unica arma de guerra eficaz, na paz que precisamos.

A cultura da construção de pontes que nos interligam nos 4 cantos do mundo.

sobre a imagem:
Nesta escola do interior da Guiné Bissau, cada criança leva o seu próprio banquinho para um dia de aprendizado! Registo da leitora Virginia Yunes