terça-feira, 13 de maio de 2014

Não é gelo para caipirinha,



Sonhei abraçada. A uma árvore imponente. Deste-me a força das tuas raízes. As raízes do embondeiro, viradas ao contrário. Curiosa quis saber, porque ficaste assim? Não sabes? Porque não soube ajudar a salvar a humanidade e recebi a missão de ficar a dar abrigo a quem de mim precisasse. A ensinar o valor de nos protegermos uns aos outros. Enterrado com as raízes para cima. Ao contrário. Como estão vocês agora, até aprenderem esta missão. Como sabes isso? Ora pensa comigo, faz parte da natureza humana a necessidade fundamental de se auto-exprimir e isso só é possível se forem livres. Assim como a de ser curioso, rebelde e indomável. Eu não posso, estou aqui, para sempre, à espera que vocês aprendam. No tempo de ser crianças e adolescentes desabrocham estas características e tornam-se imperiosas. Mas agora são adultos e não são livres…Como adultos estão em processo acelerado de negação. É uma verdade tão limpa que vos dói. Alguns até sabem a verdade mas não acordam da letargia. Como o pobre sapo que foi colocado num dos vossos fornos dentro de uma taça com água fresca. À medida que a temperatura subia, o sapo sentia-se desconfortável e inquieto mas não o suficiente para saltar. Se não toma consciência da oportunidade de saltar, vai ser gradualmente conduzido pelas circunstâncias para o adormecimento que surge da temperatura que o vai cozer. No tempo de hoje, por não acordarem as forças telúricas movimentam-se para nos sacudir ou engolir. Imagina um livro.
Escutava-o atentamente sentada numa raiz enquanto degustava o seu fruto. O embondeiro continuou… Se o enredo continuasse sem fim, perderia o interesse e os leitores não é? Por isso a morte transforma-nos quando chega o fim da trama. Uma flor para vingar e cumprir o papel para o qual nasceu precisa de cuidados. Assim precisa a vida de qualquer ser vivo, incluindo o planeta que generosamente nos oferece abrigo.
Já percebi, disse eu com o calor da vontade de ser indomável; a vida da nossa mente e do nosso coração é uma máquina preparada para imaginar e criar. É uma ferramenta. Se bem ajustada cumpre a função que lhe está destinada. Se sofre uma avaria, começa a ter graves irregularidades ou falhas mecânicas e torna-se irrelevante. ..Assim são os homens na sua vida e a natureza na sua acção, entendeste porque ficarei aqui para sempre? Vocês precisam de reparação urgente das peças para re-escrever o final da história do nosso livro preferido. Cada um encontrar o seu caminho antes de se transformar em raiz de uma árvore, folha de primavera ou borboleta de verão. Antes que um novo outono de gelo nos atinja, nos extinga juntos e nos remeta ao inverno da nossa experiência como seres vivos.

Esta noite, irei de novo abraçar com o coração, mais um sonho.