sexta-feira, 31 de outubro de 2014

O feitiço do amor




O feitiço do amor,

Sou esquisita e estranha. Como tu e tu.
Quem sabe enfeitiçada.

Hoje vou escrever sobre feitiços. Esquisitos e estranhos.
O maior da vida. Aquele de que todos falam.
Aquele que nos esquisita e estranha.
Nos inquisita e se entranha.

Aquele que nos impõe condições:
-ser-lhe incondicionalmente fiel e servil.
Que se vira sempre, a favor de todos os feiticeiros:
-O Amor.

Falar e escrever sobre ele é esquisito? Estranho?
Canções, poesia,música, literatura, pintura, na sua maioria, são inspiradas e em nome do amor.
Em todas as formas de que se veste. Com alegria e na dor. No desespero e na felicidade.
Nasce,morre, renasce, perpetua-se.
Infinito é a sua forma verbal.

“Cartas de amor são ridículas? Ridículo é quem nunca escreveu cartas de amor”.
Amamos os amigos! Sem precisar de razões. Esquisito? Estranho?
Amamos até os que não conhecemos mas com quem nos preocupamos porque nos fazem perceber que fazemos parte da unimultiplicidade! Esquisito? Estranho?
Amamos os do nosso sangue sem entender ou precisar de razões!? Estranho e esquisito!
Amamos os amores. Não sabendo o que nos levou a transgredir todas as regras, a não ter regras. A ter anarquia na alma. A ficar desembestados como bestas. Por alguém.

O amor é o único direito que contém em si todos os direitos. Por ser o único que não conhece a finitude.
É o único direito que temos o dever de não perder.
Deixa memórias e saudades inexplicáveis e envolventes.
É inexplicável e envolvente, dure quanto durar.

Por inerência de funções, o amor transforma.
Por ser invulnerável, transforma-nos em seres vulneráveis, frágeis, generosos e ilimitadamente poderosos.
Veste-nos com a capa do poder de nos transformarmos, ao mundo à nossa volta, e para lá dele.
Por ser amor é como a imaginação de uma criança.
Por ser amor, não devemos parar de ser crianças.
Não questiona se o queremos ou permitimos. É a essência que em nós reside.
É a fonte de nutrição.
Um dever sagrado. Impõe que o vivamos, independente da nossa vontade.
Sem ele a vida cessa, mesmo que tentemos viver.

Como uma memória de infância, um cheiro, uma imagem, um momento, uma emoção, um sentimento, ele É:
sem sabermos as razões, imprime-se como uma tatuagem na pele:
fica para sempre.
O único direito sem preconceito de cor,religião, sexo,idade,distância,etnia.

Por ser amor é inclusivo. Invasivo. Inesquecível. Intrometido.Indiscreto.Íntimo. Inquebrável. Indestrutível.

Por ser amor é romântico, amigo, universal, uno.
Misterioso, incerto, mágico e inexplicável. Sem disciplina.

Se resistimos, ele persiste, não se importando com razões.
Se o contestamos, impõe-se com maior ardor.
Se nos abandona somos mar sem maré. Inexistentes.
Se o abandonamos, somos lua sem sol. Noite sem dia.

Não nos permite questionar as suas razões:
-quando a dúvida se afirma, ele responde:
-porque sim!

Somos seres diferentes antes de mergulharmos na sua tragédia e felicidade, e, depois que dela emergimos.
E sempre partimos em busca de nova tragédia e exaltação.
Num ciclo infinito até quebrarmos a finitude da vida.
Humilhante seria a vida sem a existência deste ciclo. Sem o dever de cumprir o único direito que não sugere antes impõe-se como única escolha.

O único direito a quem temos o dever de nos entregarmos. Ofereçamos-lhe tudo e ter-nos-emos transformado em seres melhores, especiais,completos.

Porque ele é tudo, é especial e é completo.

O amor faz a criatividade manifestar-se em nós. Junta todos os fragmentos e pontos de um enigma. Dá-lhe sentido, direcção, forma, conteúdo e unidade.

Obriga-nos a exercê-lo. A colocá-lo em prática.
A finitude existe para darmos valor à vida. O que dela fizermos é o que levamos connosco e deixamos aqui com os outros.
Por ser amor é infinito. Acompanha-nos para além de nós.
Quando deixamos de ser. De estar presentes.

O amor grita tranquilamente, a última chamada, para os passageiros, a embarcar na sua viagem:
-todos os recursos individuais devem ser colocados à minha disposição: emoções, inteligência, criatividade, experiência, coragem, intensidade.
Estão preparados?

Tratemos o amor de maneira especial:
- façamos amor com a vida e da vida façamos amor.
Com ou sem medo, usemo-lo. Ele oferece-se, sem mais pedir.

É esquisito? É estranho?

Não! Porque o que nós usamos…
é tão só,

o feitiço que ele nos lançou.