terça-feira, 21 de abril de 2015

Quero ser radical e tudo de novo começar

Continuação dos delírios
Quero ser radical e começar tudo de novo
Eles ali estavam
iam chegando
escolhendo as cadeiras
sentavam-se numa roda
entre eles eram todos amigos.
Olhavam-me
placidamente
em jeito de desafio
sem pressa
enquanto me sentava ao sol
numa almofada de esteiras
Uma conversa iniciámos
sem nos darmos conta
um acordo estabelecemos
amiga dos meus medos e fragilidades
das minhas angústias e revezes
das minhas dúvidas, das minhas ansiedades
das minhas melancolias e tristezas
das minhas imperfeições
dos meus fardos e incertezas
de verdade
amigos íntimos nos tornámos
um por um,
conheci-os,
deixá-los-ei ficar
até um dia
o vento para si os tomar
placidamente
confrontei-me
com as suas garras
não lhes dei luta
para não enfrentar as suas tormentas
despi-me nas suas águas pardacentas
deixei de resistir
com bondade
me amoleci
os acolhi, me acolhi
são parte do meu mundo desordenado
e talvez por vontade
cansados decidam partir
como a lava de um vulcão resignada
se deixa cair
e a lição vou aprender
para que como um árvore firme
segura do chão possa sair
foi assim que minha amiga me decidir tornar
para me aceitar sem rejeitar
o que no meu coração e na minha mente encontrar
e deles não escapar
porque me hei-de rir se quero chorar?
porque me hei-de prender se me quero libertar?
porque me hei-de conter se quero voar?
porquê dizer sim se me quero rebelar?
vou aprender a dizer não
não me vou censurar!
E mesmo que o mundo esteja desequilibrado
por amor me vou aceitar
um gesto radical,
vou de novo tudo recomeçar
e a minha melhor amiga me vou tornar